17 de novembro de 2014

A Didática "Jorgeben(jor)niana"




É inegável a contribuição do genial Jorge Ben (Jor) a MPB. No meu "ranking" particular, ele facilmente figura no "Top 10". Além disso, ele pode ser considerado um dos pontos de partida para entendermos a nossa música popular de uns 50 anos para cá. Eu sou suspeito para falar dele, pois sou um daqueles admiradores que escuta sua obra sob diversos pontos de vista. E um dos que mais contribuiu para essa admiração que eu nutro por ele é o ponto de vista que por esses dias apelidei de "Didática Jorgebenjorniana". Por quê?
"Didática Jorgebenjorniana" pois algumas letras de músicas dele são, justamente, didáticas. Claro, Jorge Ben (Jor), se comparado a algumas figuras de sua geração, como Chico Buarque, Gil, Caetano, está longe de ser considerado um letrista de mão cheia. E confesso que algumas de suas letras de música confirmam isso (até hoje me pergunto, por exemplo, o sentido  por trás da letra de "W/Brasil", com os famosos versos "Jacarezinho! Avião!/Cuidado com o disco voador/Tira essa escada daí/Essa escada é prá ficar aqui fora/Eu vou chamar o síndico/Tim Maia!"). Porém, algumas outras são verdadeiras aulas. E vou falar só os exemplos que vieram à minha cabeça, pois provavelmente tem outras músicas que seguem esse padrão, mas que eu precisaria de um tempo para lembrar. Vou focar em quatro letras, uma que é uma aula básica de Química, e três que tem uma incrível relação com minha área de trabalho (a História). São elas, "Os Alquimistas Estão Chegando" (do álbum "A Tábua da Esmeralda"), "África Brasil (Zumbi)", "Xica da Silva" e "Taj Mahal" (do álbum "África Brasil").

"Os Alquimistas Estão Chegando"



Uma aula básica de Química, em que Jorge Ben (Jor) descreve um pouco o modo de trabalho dos alquimistas (que, grosso modo, poderiam ser considerados os "pais" dos químicos) em busca da Pedra Filosofal. Versos como " Eles são discretos/E silenciosos/Moram bem longe dos homens" e " Evitam qualquer relação/Com pessoas/De temperamento sórdido... " nos mostram que os alquimistas buscavam o isolamento para fazer suas experiências sem serem incomodados, como um bom estudioso preza. Mas os versos mais reveladores são os que falam sobre os métodos e os instrumentos que eles utilizavam ("Executam/Segundo as regras herméticas/Desde a trituração, a fixação/A destilação e a coagulação... " e " Trazem consigo, cadinhos/Vasos de vidro/Potes de louça/Todos bem e iluminados ").

"África Brasil (Zumbi)"


Uma verdadeira aula sobre Brasil Colonial, em que ele começa a letra enumerando as diferentes procedências dos negros escravizados ("Angola, Congo, Benguela/Monjolo, Cabinda, Nina/Quiloa, Rebolo"). Logo depois, descreve magistralmente, o destino dos negros que chegam aqui no Brasil escravizados ("Aqui onde estão os homens/Há um grande leilão/Dizem que nele há uma princesa à venda/Que veio junto com seus súditos/Acorrentados em carros de boi") e também descreve os lugares em que essa mão-de-obra negra era utilizada ("Pois aqui onde estão os homens/Dum lado, cana-de-açúcar/Do outro lado, um imenso cafezal/Ao centro, senhores sentados/Vendo a colheita do algodão branco/Sendo colhidos por mãos negras ") e por fim a homenagem a uma das figuras negras mais emblemáticas do período colonial, Zumbi, que ainda surgirá como um herói para acabar com essa exploração ("Eu quero ver quando Zumbi chegar/Eu quero ver o que vai acontecer/Zumbi é senhor das guerras"). Particularmente, é uma das minhas músicas prediletas.

"Xica da Silva"



Música em homenagem a uma outra figura negra emblemática que viveu durante o período colonial, Chica da Silva. Agora o pano de fundo é a exploração das minas de ouro e diamantes da região de Minas Gerais, que teve seu ápice durante o século XVIII. Jorge Ben (Jor) descreve todo o luxo que cercava Chica da Silva, que manteve uma relação consensual com o "fidalgo tratador João Fernandes", rico contratador de diamantes (obrigado Wikipédia! Tem horas que você usa as melhores palavras). Jorge Ben (Jor) fala brevemente sobre a trajetória da personagem, que foi de escrava alforriada a amante do fidalgo citado, contudo dá um enfoque maior no luxo (e ostentação) de Chica da Silva. A letra toda merece destaque, pois é muito descritiva. Acho até injusto pegar alguns versos. Mas uma mulher que tinha um castelo, um lago artificial e era obrigada a "A ser recebida/Como uma grande senhora/Da corte/Do Rei Luís" não merece passar anonimamente pela nossa história...

"Taj Mahal"



Com certeza a mais famosa das músicas aqui descritas, "Taj Mahal" é inspirada na história da construção do famoso mausoléu indiano, que foi construído pelo imperador Shan Jahan em homenagem a sua falecida esposa Mumtaz Mahal. É a menos descritiva (e a mais cheia de "tereteretê") das letras que coloquei aqui, pois ele explica muito por alto essa história de amor, que, por sinal, vale a pesquisada, pois é uma senhora história de amor. Apesar de ser uma letra breve, merece o destaque.

Essa é só uma das facetas do gênio Jorge Ben (Jor). Mais pra frente eu espero trazer pra vocês outras impressões que tenho quando escuto as músicas dessa grande figura!

Um comentário:

Tupàn Ikatuhaw disse...

É verdade mesmo Flávio, tem letras do cara que fazem a gente querer pesquisar melhor sobre o assunto. Que bom que você está voltando pro mundo dos blogueiros. Depois da uma sacada lá na minha página! Vlw mlk Abraços

Creative Commons License
Um Blog de Nada by Flavio Braga Mota is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.
Based on a work at umblogdenada.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://umblogdenada.blogspot.com.